Pelas crianças, pelo Sofia Feldman

Qua, 11 de Outubro de 2017 14:24 0 COMMENTS
Imprimir

Manifestação em favor do Sofia Feldman pede financiamento da prefeitura de BH para salvar maior maternidade do país

 Foto 2 Sofia

Pelo direito de nascer. E de continuar nascendo na maternidade em Belo Horizonte que é referência nacional e internacional do parto humanizado e a maior do país. Foi na defesa do Hospital Sofia Feldman que mulheres, crianças e homens realizaram nesta terça-feira (10/10) ato “Pelas crianças, pelo Sofia!”. A manifestação teve concentração na Praça da Liberdade por volta das 09 horas e em seguida saiu em passeata em direção à Prefeitura de Belo Horizonte. O Sofia, como é chamado, enfrenta uma grave crise que se agrava desde o ano passado. Trabalhadores estão com salários atrasados, faltam insumos e leitos estão sendo fechados. O déficit mensal do Hospital é de R$2,2 milhões e ao todo são 100 leitos com risco de serem fechados.

Ao chegar à Prefeitura de Belo Horizonte, um grupo de sete pessoas foi recebido pelo representante da secretaria-adjunta de Relações Institucionais, Silvinho Resende. Uma das principais reivindicações apresentadas é que a Prefeitura passe a integrar o financiamento do Hospital. Hoje a PBH apenas repassa recursos para o Sofia. O Hospital, que é filantrópico e 100% SUS, recebe verba de R$5 milhões da União e do Estado, sendo que desde 2013 a receita não tem reajuste. O financiamento triparte atende a norma constitucional estabelecida na Política Nacional de Atenção Hospitalar (PNHOSP) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Ela determina em seu artigo 26 que o financiamento da instituição seja pactuado entre as três esferas de gestão: federal, estadual e municipal. Ao final da reunião de ontem, foi decidido que uma audiência pública na Assembleia Legislativa (ALMG) irá reunir representantes do governo municipal e estadual para apresentar propostas que de possam garantir o funcionamento do Sofia.

Foto 1 Sofia

A esperança de ver o Hospital continuar aberto, com atendimento de referência à população de mais de 300 municípios fez do ato desta terça um momento de alegria. Uma marcha colorida de crianças, mulheres e homens em defesa do direito de nascer, de forma humanizada e empoeirada como o Sofia diariamente luta para ser.